quinta-feira, 25 de abril de 2013

Dia 1 - Difícil adaptação


Desde que decidimos dar início ao programa, levando tudo a sério e à risca, algumas questões não me saíram da cabeça:

- O que comer no café da manhã?
Eu estava muito acostumada com o leite e o pão na chapa e MUITO raramente saía disso. E, quando saía, era sempre a troca do leite por um suco ou café, ambos com açúcar, ou alguma variação do acompanhamento (pão com queijo e presunto, principalmente).

- Como viver sem comer pão, batatas e, principalmente, doces?
Como já deve ter dado para perceber, minha dieta nunca foi muito saudável. Confesso que sempre tive uma grande queda pelos carboidratos e açúcares. Essa seria, com certeza, uma tarefa difícil desde o começo.

- O que raios vou beber para acompanhar as refeições?
Por mais que seja cientificamente comprovado que não é saudável tomar líquidos junto às refeições, eu nunca dei muita bola para isso. Até porque, tenho um sério problema com engasgos (e, sim, estou falando sério).

Como era de se esperar, meu primeiro dia na dieta foi bastante sofrido. Tive que acordar mais cedo para preparar meu ovo mexido e já de cara tive um pequeno momento de desespero: o que eu ia beber? Como eu já tenho um histórico de problemas estomacais, resolvi tomar o Chá de Angélica, que dizem ser bom para o estômago (e realmente é!). O grande problema: não poderia colocar açúcar. Bom, no fim das contas até que foi tranquilo.

O almoço foi um pouco mais sofrido. Não sei se por não estar com tanta fome ou pela falta de costume em me alimentar daquela forma (principalmente pela falta do arroz e da batata), tive que "empurrar goela abaixo" a segunda metade da comida. E, para minha surpresa, beber água com limão não foi tão ruim quanto achei que seria.

Para ajudar, meu dia foi carregadérrimo de estresse e as pessoas que estavam à minha volta estavam comendo doces e besteiras como loucas. Chega a dar a impressão de que estão comendo mais do que normalmente (o que provavelmente é fruto da minha imaginação). Junta isso com o estresse e o cansaço e a pressão: vontade de comer doce, é claro. Mas consegui me segurar. Ufa!

O jantar foi bem mais tranquilo na questão alimentar, mas o chá mate sem açúcar foi bem complicado. Também me forcei um pouco a tomá-lo, porque, como diz a Nathalia, acredito ser uma questão de costume. Então, tenho que me acostumar.

Para finalizar (afinal, já escrevi demais), quero deixar aqui meu maior desafio para as próximas semanas: BEBER DE 2 A 3 LITROS DE ÁGUA POR DIA.
Postar um comentário